UA-63513604-1
Home
Pedidos On-line
ABRASIVOS
PRODUTOS P/POLIMENTO
MOTOR PARA AFIAÇÃO
INFORMAÇÕES TÉCNICAS
ESPECIFICAÇÕES
PERFIS E FORMATOS
NORMAS P/ PEDIDOS
APLICAÇÕES
ARMAZENAMENTO
CÁLCULO DE VELOCIDADE
CUIDADOS PARA USO
RODAS EXPANSIVAS
POLIMENTO DE AÇOS
POLIMENTO DE VIDROS
DIAMANTADOS E CBN
INSPEÇÕES  TÉCNICAS
TIPOS DE RETÍFICAS
ACESSÓRIOS P/RETIFICAS
RÉGUAS P/ RETIFICAS
TABELA DE VELOCIDADE
PROMOÇÕES E OFERTAS
DISPOSITIVOS
DESENVOLVIMENTO
CONTATO
Blog
Livro de visitas/Fórum
FAQ
   
 



Identificação

Os rebolos são marcados, nos rótulos, na seguinte ordem:
  1. Material - tipo do grão:

A
AA
DR
DA
C
CG  
2. Tamanho do grão 8 - 1000
3. Dureza: E a Z
4. Porosidade: 1 a 15
5. Liga: V, B, R ou E
6. Referência da fabricação (optativa)




Tamanho do Grão (Norma FEPA/ABNT)

Observa classificação internacional através de um sistema de peneiras, sendo designado pelo número que corresponde a divisão linear da área de uma polegada quadrada. Dessa forma, quanto mais fino for o grão, maior é seu número na escala da granulometria. Grãos mais grossos permitem maior remoçãode material enquanto os mais finos produzem melhor acabamento.


Frequentemente na construção do corpo abrasivo, utiliza-se uma composição de grãos definida como combinação, identificada por um número colocado após o grão nominal.
A46.3 - P6 - V
Este número representa a faixa granulométrica que está sendo utilizada, dentro da qual os grãos agem como suporte entre si, aumentando a resistência do rebolo e permitindo maiores pressões de corte.


Tipo de Liga

Liga ou aglutinante é o material que une os grãos abrasivos entre si, formando o rebolo.
VITRIFICADO - V: Composta de materias cerâmicos, é rígida e quebradiça.
Permite controle exato de dureza. Observado os limites de segurança, este tipo de liga tem um campo de ação ilimitado na fabricação de rebolos para retíficas, afiação de ferramentas, desbaste em máquinas fixas, pontas montadas, limas, segmentos, etc.
RESINÓIDE - B: Elaborado com resinas sintéticas, é mais flexível e consequentemente de maior resintência que o anterior.
É recomendada principalmente em operações que se verificam altas pressões de corte com a finalidade de se obter grandes remoções de material, como por exemplo:
rebolos para rebarbação em máquinas fixas, portáteis ou pendulares; rebolos para corte, além de usos específicos em retíficas. Este tipo de liga permite a fabricação de rebolos reforçados com telas de fibra de vidro especialmente tratadas, o que aumenta ainda mais a sua resistência mecânica.


  Dureza

É a maior ou menor capacidade da liga em reter as particulas abrasivas que constituem um rebolo. O grau de dureza certo para determinado trabalho, é aquele que solta os grãos abrasivos a medida que os mesmos vão perdendo seu poder de corte, expondo continuamente, novas arestas. No conjunto de especificação é representado por letras, sendo sua resitência determinada pela porcentagem de liga utilizada. 


 
Estrutura

É o fator que estabelece a relação de espaçamento dos grãos abrasivos entre si. Sua seleção é feita em função da área de contato peça/rebolo. Um contato amplo entre peça e rebolo requer maior espaçamento entre os grãos enquanto pequenas áreas de retificação requerem rebolos mais densos. É representada por números que vão de 1, mais densa, até 15, a mais aberta.